A neuropatia periférica induzida por quimioterapia (NPIQ) é um dos efeitos colaterais mais comuns relacionados ao tratamento do câncer. Indivíduos acometidos pela neuropatia periférica induzida por medicações quimioterápicas, geralmente apresentam alterações do tipo sensorial como parestesia, dormência, formigamento, ou sintomas dolorosos (sensação de pontada, agulhada, queimação etc…). Outros sintomas interferem muitas vezes nos movimentos, como a diminuição da força muscular, câimbras, e equilíbrio. Estes sintomas acabam por trazer desconfortos e às vezes perda de habilidades físicas, habilidades de coordenação fina como por exemplo abotoar uma blusa, pegar pequenos objetos, reduzindo muito o bem-estar físico, emocional e qualidade de vida dos indivíduos acometidos. 

Para amenizar estes sintomas é muito importante a atuação de uma equipe multiprofissional e com tratamentos multimodais e integrados. A fisioterapia possui uma série de recursos e técnicas que podem ajudar na redução controle desses sintomas. Além disso alguns estudos apontam que  a atividade física e exercício regular podem ser benéficos para aliviar os sintomas da neuropatia e outros aspectos associados como fadiga, depressão. 

 

Como a fisioterapia pode ajudar?

  • No controle e redução da dor e distúrbios sensitivos e motores
  • manter ou aumentar a força muscular, a resistência e amplitude de movimento 
  • melhora da funcionalidade e da coordenação  
  • medidas e prevenção de quedas e risco de fraturas
  • treinamento em equilíbrio, estabilidade e integração sensorial
  • correção da postura corporal 
  • estimular o condicionamento físico global 
  • manejo da fadiga quando associada 
  • orientações gerais para as atividades de vida diárias.

A fisioterapia utiliza diversas técnicas e  recursos para alcançar estes objetivos, incluindo medidas físicas como o Bio Fotomodulação, Eletroterapia, terapias integrativas como a acupuntura, além de orientações e medidas educativas. Elencamos a seguir os principais recursos utilizados:  

  • Terapia manual, com por exemplo a drenagem linfática manual; 
  • Reeducação sensorial: técnicas de dessensibilização, friccionar suavemente na área afetada diferentes materiais e texturas conforme a tolerância
  • Cinesioterapia: exercícios aeróbicos (estimular o condicionamento global), exercícios de recrutamento muscular, de resistência, alongamentos, que podem auxiliar na melhora do equilíbrio, redução do risco de quedas e da fadiga. 
  • Treino de equilíbrio: utilizando exercícios estáticos e dinâmicos em diferentes superfícies, com ou sem estímulo visual.
  • Treino da marcha: utilizando superfícies planas e desiguais, rampas, escadas em diferentes ambientes. 
  • Prescrição de dispositivos auxiliares e órteses: podem auxiliar no equilíbrio, na segurança, o alinhamento corporal a estabilidade e a habilidade para a marcha. 
  • Eletroterapia: Estimulação Elétrica Nervosa Transcutânea TENS, Eletroacupuntura, Neuroestimulação Auricular Percutânea (PANS), Terapia Interferencial e Diatermia de Ondas longas em alta potência (ITH), Terapia de campo magnético de baixa frequência, Terapia de Scrambler Neurofeedback, MC%-A Calmare terapia.
  • Bio Fotomodulação: Laser de baixa intensidade (LLLT) Laser acupuntura (LA) 
  • Medidas físicas e Termoterapia: imersão em água quente em mãos e pés (pedilúvio)  
  • Terapia por vibração:  plataforma vibratória 
  • Terapias integrativas: Acupuntura, massagem, Reiki, Yoga, meditação, Reflexologia
  • Medidas psico-educativas e orientações ao paciente: prevenção de quedas e segurança domiciliar, adaptar ambientes, promovendo maior segurança 
  • Orientações de autogerenciamento

Artigo: Effects of transcutaneous electrical nerve stimulation on chemotherapy-induced peripheral neuropathy symptoms

Compartilhe com quem você ama