Esta é uma pergunta muito frequente quando se trabalha com pacientes de câncer de mama em tratamento. Hoje temos inúmeros estudos que mostram o benefício da atividade física na redução do risco e seus benefícios durante e após o tratamento do câncer, como por exemplo, durante a quimioterapia e radioterapia, melhorando a qualidade de vida e os efeitos negativos dessas terapias anti-neoplásicas. As recomendações da American Cancer Society é de que as pessoas deveriam se envolver na prática de exercícios físicos de moderada à vigorosa, pelo menos 30 minutos, cinco vezes por semana, além do treinamento de força muscular duas vezes na semana. 🏃🏻‍♀️🚴🏽‍♀️ 🏋🏽‍♀️ Entretanto, antes de se recomendar e incentivar a prática do exercício físico regular, temos que realizar uma avaliação detalhada, compreendendo o tipo de tratamento o qual o paciente está se submetendo naquele momento, o histórico de atividade física, personalizando a melhor indicação e/ou prescrição. E não podemos esquecer que existem sim alguns momentos durante o tratamento em que o exercício físico poderá ser contraindicado, como os seguintes exemplos: no caso de caquexia grave, fadiga intensa, náusea grave, vômitos, diarreia, desidratação, pressão arterial elevada, dor torácica, entre outros.

Compartilhe com quem você ama